Bem-vindo(a) à Vila de Monchique

Parta à descoberta desta vila que respira cultura e tradição.

A beleza também cansa pelo que nos transmite em emoção. Basta que a cor seja um grito, basta que as mutações se entrechoquem. Fujamos pois dos azuis, dos vermelhos, dos amarelos, reconfortemos um pouco o espírito cansado. Só o verde nos servirá de bálsamo e Monchique será o próximo ponto a atingir.

A serra, vista de longe, não passa de um bom fundo fotográfico.

Deixe de olhar esses terrenos salgados. São tristes e estéreis como a morte.

Corre-nos à esquerda a ribeira de Boia e o solo começa a convulsionar-se. Os montes tomam gradualmente altura, unem.se uns aos outros em pregas profundas e a estrada serpenteia entre barreiras de xisto como um réptil fustigado pelo sol.

A vegetação adensa-se. Acácias perfiladas ladeiam a faixa de rolagem alcatroada, negra, e as pequenas manchas de pinhal descem até nós. (…)

Agora, acácias, cedros e eucaliptos quase se entrelaçam desafiando os raios de sol a atravessar-lhes a folhagem compacta.

Um ramal de duas dezenas de metros nos leva até às termas. (…)

Desçamos ao Paraíso. Uma abóbada de folhagem nos protege e a ribeira límpida corre molemente rodeando calhaus ora negros, ora avermelhados. Pequenos olhos de sol marcam na terra castanha círculos luminosos. Uma ponte… Uma pequena cascata… As cigarras cantam e tudo é verde à nossa volta.

A água vai cavando os extratos xistosos, aprofunda-se cada vez mais e o caminho aperta-se, estrangula-se. Em baixo uma represa desconjuntada, mais além o arco de uma ponte.

Um pequeno apontamento. Hortenses azuis… Um lago snob de jardim… Três eucaliptos em cujos troncos meninas românticas cravaram corações e escreveram versos… Uma mesa de pedra… Uma fonte… A fonte dos Amores.

Algumas pedras avantajadas, que pararam ao encontrar qualquer obstáculo, lembram os poios semeados do vale do Zêzere.

A caminho de Monchique, as encostas talhadas em socalcos têm por vezes o aspeto dos anfiteatros romanos.

Começada a subida para a Foia olhemos em volta. Na frente o retalho verde suave dos soutos que sobem de um e de outro lado da ribeira da Serra; a nossos pés os degraus de uma escada monumental que desce até ao Pé da Cruz e a norte a vila que parece deitada na aba de um cerro.

Onde encontrou um palmo de terra cultivável, o homem ergueu muros de defesa contra a erosão e plantou jardins. Quão penoso o seu esforço… A água corre por toda a parte. Dá-nos vontade de cair de borco numa prece à terra…

A arborização baixa de densidade à medida que subimos, as arestas vivas das massas de pedra são punhais que procuram ferir-nos, o ar torna-se mais puro, a temperatura desce e a montanha recebe-nos desdenhosamente.

Uma curva larga… A pirâmide da Foia…

Perde-se a noção das distâncias, parece que nos debruçamos ante um mapa em relevo. O Alentejo, na sua vastidão, como que se espreguiça… O recorte da costa surge-nos nítido, vincado… manchas claras de muitas casas juntas. Portimão… Alvor… Lagos… As areias da Meia Praia… Mais longe, Sagres e S. Vicente… E para os lados de Algezur os montes parecem ventres pejados.

Manuel do Nascimento, in Roteiro da Província do Algarve, 1951.

logo

Identidade Natural

Vamos começar o nosso roteiro.

Em Destaque na nossa Vila

Saiba o que se passa.

dia da vila_cartaz 2015

Dia da Vila

Quinta feira de Ascensão, dia da Vila, é já no próximo dia 14 de Maio. Junte-se a nós.   ...
Ler Mais
/ em Notícias
festa do M_cartaz A3 2015

Festa do M

A partir das 16h00 do dia 1 de maio, o quintal da Junta de Freguesia vai receber mais uma edição ...
Ler Mais
25 abril 2015_cartaz

Conversas de abril no feminino

No âmbito das comemorações do 25 de abril, a Junta de Freguesia de Monchique vai assinalar a data promovendo um ...
Ler Mais
/ em Notícias, Imagem

Damos vida às tradições!

Modelo de Barra de Assinaturas LEADER1 - Cópia