Bem-vindo(a) à Vila de Monchique

Parta à descoberta desta vila que respira cultura e tradição.

A beleza também cansa pelo que nos transmite em emoção. Basta que a cor seja um grito, basta que as mutações se entrechoquem. Fujamos pois dos azuis, dos vermelhos, dos amarelos, reconfortemos um pouco o espírito cansado. Só o verde nos servirá de bálsamo e Monchique será o próximo ponto a atingir.

A serra, vista de longe, não passa de um bom fundo fotográfico.

Deixe de olhar esses terrenos salgados. São tristes e estéreis como a morte.

Corre-nos à esquerda a ribeira de Boia e o solo começa a convulsionar-se. Os montes tomam gradualmente altura, unem.se uns aos outros em pregas profundas e a estrada serpenteia entre barreiras de xisto como um réptil fustigado pelo sol.

A vegetação adensa-se. Acácias perfiladas ladeiam a faixa de rolagem alcatroada, negra, e as pequenas manchas de pinhal descem até nós. (…)

Agora, acácias, cedros e eucaliptos quase se entrelaçam desafiando os raios de sol a atravessar-lhes a folhagem compacta.

Um ramal de duas dezenas de metros nos leva até às termas. (…)

Desçamos ao Paraíso. Uma abóbada de folhagem nos protege e a ribeira límpida corre molemente rodeando calhaus ora negros, ora avermelhados. Pequenos olhos de sol marcam na terra castanha círculos luminosos. Uma ponte… Uma pequena cascata… As cigarras cantam e tudo é verde à nossa volta.

A água vai cavando os extratos xistosos, aprofunda-se cada vez mais e o caminho aperta-se, estrangula-se. Em baixo uma represa desconjuntada, mais além o arco de uma ponte.

Um pequeno apontamento. Hortenses azuis… Um lago snob de jardim… Três eucaliptos em cujos troncos meninas românticas cravaram corações e escreveram versos… Uma mesa de pedra… Uma fonte… A fonte dos Amores.

Algumas pedras avantajadas, que pararam ao encontrar qualquer obstáculo, lembram os poios semeados do vale do Zêzere.

A caminho de Monchique, as encostas talhadas em socalcos têm por vezes o aspeto dos anfiteatros romanos.

Começada a subida para a Foia olhemos em volta. Na frente o retalho verde suave dos soutos que sobem de um e de outro lado da ribeira da Serra; a nossos pés os degraus de uma escada monumental que desce até ao Pé da Cruz e a norte a vila que parece deitada na aba de um cerro.

Onde encontrou um palmo de terra cultivável, o homem ergueu muros de defesa contra a erosão e plantou jardins. Quão penoso o seu esforço… A água corre por toda a parte. Dá-nos vontade de cair de borco numa prece à terra…

A arborização baixa de densidade à medida que subimos, as arestas vivas das massas de pedra são punhais que procuram ferir-nos, o ar torna-se mais puro, a temperatura desce e a montanha recebe-nos desdenhosamente.

Uma curva larga… A pirâmide da Foia…

Perde-se a noção das distâncias, parece que nos debruçamos ante um mapa em relevo. O Alentejo, na sua vastidão, como que se espreguiça… O recorte da costa surge-nos nítido, vincado… manchas claras de muitas casas juntas. Portimão… Alvor… Lagos… As areias da Meia Praia… Mais longe, Sagres e S. Vicente… E para os lados de Algezur os montes parecem ventres pejados.

Manuel do Nascimento, in Roteiro da Província do Algarve, 1951.

logo

Identidade Natural

Vamos começar o nosso roteiro.

Em Destaque na nossa Vila

Saiba o que se passa.

artechique_flyer programa_verso print

XXI ARTECHIQUE

XXI ARTECHIQUE Nos próximos dias 4, 5 e 6 de setembro, a ARTECHIQUE – Feira de Artesanato e Sabores de ...
Ler Mais
/ em Notícias
IMG_20150810_183834

COMEÇARAM AS OBRAS DE REABILITAÇÃO DA REPRESA DO MOINHO DE ÁGUA DO POUCOCHINHO

COMEÇARAM AS OBRAS DE REABILITAÇÃO DA REPRESA DO MOINHO DE ÁGUA DO POUCOCHINHO Teve início, na há cerca de duas ...
Ler Mais
/ em Notícias

MULTI-ARTES Exposição de trabalhos de Carlota Duarte

Entre os dias 10 e 16 de agosto estará patente no rés-do-chão da sala de estudo da Junta de Freguesia ...
Ler Mais
/ em Notícias

Damos vida às tradições!

Modelo de Barra de Assinaturas LEADER1 - Cópia